Sigam o Nobre

O São Paulo está perto de anunciar mais um bom reforço para sequência do Campeonato Brasileiro: Michel Bastos, ex-Lyon e Seleção Brasileira. Segundo informações da ESPN, o salário dele será de 412 mil reais.

Faz bem o Tricolor? Só o tempo dirá, mas pagar esse valor para um lateral de 31 anos, não me parece muito sadio para as finanças do clube. Aliados aos 400 mil de Pato, outros 400 de Luís Fabiano, 350 de Kardec e Ganso, sem falar em Kaka, já são quase 2 milhões em folha salarial.

Nobre-Nobre

Essa semana, Paulo Nobre, vizinho de muro do time “galático”, desistiu de contratar Diego Souza por 500 mil mensais. E fez bem demais. Claro, o time na situação que se encontra, brigando para não cair, precisa de reforços, mas não a qualquer custo.

Também não é a qualquer custo que Corinthians, São Paulo, Santos, Cruzeiro e todos os gigantes brasileiros devem contratar. O Timão, que andou ganhando tudo, agora se ver apertado por dividas com a Receita Federa e poderia sofrer sérias sanções, claro, se tivéssemos uma lei que responsabiliza dirigentes e pune também os clubes por essas dívidas.

O time da baixada descartou Ronaldinho, mas contratou Robinho, mesmo com salários começando a atrasar, fato que ocorre no Morumbi também. Nobre, por mais que não o faça bem, tenta aliar o presente e o futuro. Evita gastar absurdos em salários e, aos poucos, vai colocando ordem na casa, por mais que isso custe qualidade técnica do time.

E o maior exemplo para as equipes precisa ser o Botafogo ou o Crac de Goiás, um está quase falido, outro abandonou a série c por falta de condições financeiras. Há muito o que fazer em todo o futebol brasileiro, mas se todos tivessem o pensamento um pouco mais Nobre, desde jogadores a dirigentes, certamente não estaríamos falindo o futebol brasileiro.